blog Foto: ImagemAéreaRS / Reprodução Prefeitura de Imigrante (RS)

Convento Franciscano São Boaventura: um lugar de paz e reflexão

Na última viagem, tive a experiência de me hospedar no convento localizado em Imigrante - RS

 

 

 

Como você já deve saber, estive recentemente em Imigrante (RS) conhecendo o maior cactário da América Latina (se ainda não leu a matéria, clique aqui). 

Além de conhecer o cactário, tive a oportunidade de conhecer outros lugares incríveis ao longo desta aventura e semanalmente irei trazer um breve resumo das minhas experiências para você que acompanha as minhas viagens aqui no blog.  

A próxima parada será o Convento Franciscano São Boaventura, onde, ao longo da tarde ensolarada de um sábado (06) de novembro, estive conhecendo a estrutura do local.  

Depois de tanto caminhar e conhecer as belezas da região, chegamos para dormir no convento. Confesso que nunca me senti tão feliz por dormir em um local. O lugar é tranquilo, silencioso, com uma estrutura única e muito receptivo. Eu dormi como há tempos não dormia, acho que o cansaço também colaborou. Durante a noite, não se escutava nada além de algum cão latindo longe e o cantar de alguns pássaros noturnos.  

O quarto é simples, com duas camas de solteiro, guarda-roupa, pia e espelho com suporte para as escovas de dente. Veja abaixo um breve vídeo do convento;

Na manhã seguinte eu acordei cedo e fui para os arredores do convento fotografar. Entre as fotografias e a contemplação de um lugar maravilhoso, eu começo a escrever essa matéria dentro do próprio convento. Não exatamente dentro, mas na parte de fora, na sombra de uma árvore com o som de pássaros cantando e bebendo água na pequena fonte onde se banham e um pequeno peixe se esconde embaixo das pedras com medo da minha presença. 

Na árvore, um bem-te-vi seca suas penas depois de um mergulho matinal. Os sons se misturam, a água batendo nas pedras daquela pequena fonte, o sabiá cantando, o bater apressado das asas do beija-flor coletando o pólen nas diferentes flores do jardim. 

Espero ter transmitido, mesmo que de forma breve, através de minhas palavras a sensação vivida durante o tempo em que estive ali.

Além de contar a minha experiência nesse lugar de paz, é importante que você conheça um pouco da história deste lugar tão importante. 

História do Convento 

Localizado na comunidade de Daltro Filho, no município de Imigrante (RS), o local foi construído em etapas por freis franciscanos provenientes da Holanda. A sua edificação teve início em 1939 e foi finalizada no ano de 1952. O convento foi construído com objetivo de ser a casa de formação e de estudo para a vida religiosa franciscana. 

Construído graças à união de pessoas da comunidade de Daltro Filho e arredores, o convento foi construído todo em pedras grês, matéria-prima disponível em abundância no local. 

A construção com mais de 60 anos, resiste muito bem ao tempo e lembra os mosteiros franciscanos europeus pela sua arquitetura robusta e imponente.


   Foto 1960: Arquivo Convento Franciscano São Boaventura / Foto 2021: Jessica Edel

O local possui uma capela em estilo medieval, de acordo com informações disponibilizadas pelo local, é a única capela no estilo existente no Brasil. 

O convento também abriga o túmulo do Cardeal Dom Aloísio Lorscheider, o único cardeal brasileiro a receber indicação no primeiro conclave de 1978, tendo recebido vários votos, nas diversas votações até o consenso final, no qual o cardeal Albino Luciani foi eleito papa. O Cardeal Dom Aloísio se formou no Convento Franciscano São Boaventura. 

Hoje, o local está aberto para encontros, cursos, treinamentos, retiros e outros eventos. Sua procura é grande por se tratar de um lugar tranquilo, com clima de montanhas e paz. Para se hospedar no local, é necessário fazer a reserva com pelo menos, uma semana de antecedência. É recomendada a hospedagem de grupos. 


   Foto 1972: Arquivo Convento Franciscano São Boaventura / Foto 2021: Jessica Edel

Memória da comunidade Franciscana 

Acima do convento, me deparei com a capela mortuária e alguns túmulos na área externa da capela. De acordo com informações divulgadas pelo convento, os túmulos pertencem ao cemitério da  família religiosa franciscana. 

Quando um Frade Franciscano vem a falecer,  e se a família de origem do Frade desejar que seja sepultado no jazigo de sua família, ele vai para o lugar de origem da sua família, não acontecendo isso, ele permanece na família religiosa. Os túmulos são de frades falecidos, eles permanecem ali de 12 a 15 anos e, depois disso, os restos mortais são recolhidos e transferidos para os jazigos da capela mortuária. 

Estrutura

Por conta de sua construção imponente, é possível imaginar a ampla estrutura do local. O  convento conta com salão de reuniões e refeitório climatizados com capacidade para 90 pessoas. Dispões de quatro apartamentos com banheiros, 36 quartos com duas camas e banheiros coletivos e rede Wi-fi. Tudo isso em meio a uma área cercada por árvores, bastante tranquila. 

O convento aceita reservas de grupos, recomenda-se que seja feita reserva com pelo menos, uma semana de antecedência. Há opção de diária com e sem café da manhã. Na minha estadia eu optei por me hospedar com café da manhã, o valor da diária custou R$70,00. 


   Com o investimento de 20 reais, você pode degustar um café simples, mas muito apetitoso

Caso você tenha chegado aqui espero que você possa conhecer esse lugar maravilhoso, localizado em Imigrante no Rio Grande do Sul, uma cidade cheia de encantos que me conquistou, não somente pelos atrativos locais, mas também pela receptividade de seu povo. Nos vemos na próxima aventura. Até mais!  

 

Endereço e informações de contato

Av. Ipiranga, 601, bairro Daltro Filho
Telefone: (51) 3754-0376
Email: [email protected]

Galeria de Imagens

*** É expressamente proibida a reprodução de qualquer fotografia e texto aqui publicados sem a atribuição dos devidos créditos à autora. Dúvidas e sugestões podem ser enviadas ao e-mail [email protected]

img
Jessica Edel

Com início no meio jornalístico antes mesmo de iniciar a graduação, já passei por veículos de rádio, televisão, web, inclusive com breve colaboração ao Uol.
Após ter a oportunidade de trabalhar em diferentes meios, decidi me dedicar ao que mais me cativa: o jornalismo de Turismo.
Aqui no Notas de Viagem exponho de uma forma literária minhas experiências em diferentes destinos pelo Sul do país.